O Curso de Engenharia Química da Universidade Federal de São Carlos foi criado em 30 de abril de 1976 tendo o seu primeiro Vestibular realizado em julho do mesmo ano com o oferecimento de 30 vagas. O número de vagas anuais foi ampliado para 40 em 1991, para 60 em 1999 e para 80 a partir do Vestibular de 2009.

Desde a sua criação, o Curso tem evoluído rapidamente, sendo apontado hoje como um dos melhores do país e certamente ocupando as primeiras colocações na classificação nacional. Esse patamar privilegiado tem sido o resultado da alta qualificação do Corpo Docente do Departamento de Engenharia Química e dos outros Departamentos que oferecem disciplinas ao Curso e da existência de uma completa infra-estrutura laboratorial, a qual tem permitido o oferecimento de ensino de qualidade.

Nesse contexto, deve também ser destacado o papel da própria UFSCar, a qual, nos últimos anos, num esforço notório, tem ampliado e modernizado fortemente sua estrutura, oferecendo aos estudantes dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação recursos adequados na área de informática e uma Biblioteca Comunitária com um amplo acervo de livros e outros serviços.

A Engenharia Química e o Engenheiro Químico

A Engenharia Química é um campo de atividades que utiliza os conhecimentos das ciências básicas e da engenharia na elaboração de projetos e na análise de processos químicos destinados à transformação de matérias primas em produtos de maior valor agregado e comercial. Como exemplos pode-se citar as transformações de cana de açúcar em açúcar cristal e etanol, petróleo em plástico, leite em iogurte, enxofre em ácido sulfúrico, etc.

A Engenharia Química estuda basicamente:

  • a pesquisa e o desenvolvimento de processos químicos industriais
  • a análise e o projeto de plantas industriais e equipamentos de produção
  • a implantação e colocação em operação de unidades de produção químicas
  • a operação e controle de processos químicos

Um Processo Químico Industrial é um conjunto de operações coordenadas que causam transformações físicas e/ou químicas na matéria, as quais visam a produção em escala comercial de produto(s) desejado(s) a partir de matéria(s) prima(s) selecionadas ou disponíveis.

Entre as operações que envolvem Transformações Físicas nos processos químicos pode-se citar:

  • transporte de reagentes e produtos – através tubulações, utilizando-se bombas, compressores ou ventiladores
  • aquecimento/resfriamento de líquidos e gases – através do uso de trocadores de calor
  • operações de separação – envolvendo filtros, secadores, evaporadores, extratores, colunas de destilação, etc.

As Transformações ou Conversões Químicas envolvem reações químicas e/ou bioquímicas que transformam uma substância em outra através do uso de reatores os quais são, geralmente, o “coração” do processo químico.

A formação fundamental de um Engenheiro Químico requer o entendimento, através do estudo das Ciências Básicas (Matemática, Química, Física e Biologia), dos fenômenos físicos e químicos envolvidos nas transformações da matéria. A representação destes fenômenos por modelos matemáticos (equações) somada ao domínio das técnicas especificas da profissão, permitem o desenvolvimento de processos químicos, ou seja, a definição das unidades de transformação (operações unitárias) e o projeto de equipamentos necessários para que as transformações se desenvolvam de forma economicamente viável, atendendo ao mercado consumidor e a legislação do meio ambiente.

O Engenheiro Químico pode atuar, entre outras, em quaisquer das áreas que seguem:

  • Pesquisa e Desenvolvimento de Processos Químicos (P & D)
  • Projetos de Equipamentos da Indústria Química
  • Implantação e Colocação em Operação de Instalações Químicas
  • Análise e Gerenciamento de Processos Químicos
  • Controle da Produção e Controle de Qualidade de Produtos Químicos
  • Consultoria em Projetos e Processos Químicos
  • Vendas e Assistência Técnica
  • Pesquisa e Docência

Quanto aos principais setores industriais onde o Engenheiro Químico pode atuar, pode-se citar:

  • Indústrias de Produtos Químicos
  • Indústrias de Transformação de Materiais
  • Indústrias de Tecnologia de Ponta (Novos Materiais e/ou Processos)
  • Indústria Petroquímica
  • Indústrias Alimentícias
  • Indústrias Farmacêuticas
  • Universidades e Institutos de Pesquisa
  • Empresas de Consultoria e Projetos

A definição do perfil do profissional a ser formado pelo Curso de Engenharia Química da UFSCar baseou-se nas Diretrizes Curriculares que no seu Art. 3º determina que “o Curso de Graduação em Engenharia tem como perfil do formando egresso/profissional o engenheiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias, estimulando a sua atuação crítica e criativa na identificação e resolução de problemas, considerando seus aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais, com visão ética e humanística, em atendimento às demandas da sociedade“.

Ainda, a atual proposta buscou consonância com o conteúdo do documento Perfil do Profissional a Ser Formado na UFSCar (Parecer CEPE Nº. 776/2001), que define um profissional capaz de:

  • aprender de forma autônoma e contínua
  • atuar inter/multi/transdiciplinarmente
  • pautar-se na ética e na solidariedade enquanto ser humano, cidadão e profissional
  • gerenciar e incluir-se em processos participativos de organização pública ou privada
  • empreender formas diversificadas de atuação profissional
  • buscar maturidade, sensibilidade e equilíbrio ao agir profissionalmente
  • produzir e divulgar novos conhecimentos, tecnologias, serviços e produtos
  • comprometer-se com a preservação da biodiversidade no ambiente natural e construído, com sustentabilidade e melhoria da qualidade de vida

Com base nesses documentos e na história de desenvolvimento do curso de graduação, propõe-se que:

O egresso do Curso de Engenharia Química da UFSCar deverá ser um engenheiro com sólida formação técnico-científica e profissional:

  • que esteja capacitado a desenvolver, aprimorar e difundir:
    • os conhecimentos básicos da engenharia química, incluindo a produção e a utilização de métodos computacionais avançados aplicados
    • os serviços, produtos e processos relativos à indústria química, à petroquímica, à de alimentos, à farmacêutica e correlatas
    • as novas tecnologias em áreas como a biotecnologia, materiais compostos e de proteção à vida humana e ao meio ambiente
  • que esteja capacitado a julgar e a tomar decisões, avaliando o impacto potencial ou real de suas ações, com base em critérios de rigor técnico-científico e humanitários baseados em referenciais éticos e legais
  • que esteja habilitado a participar, coordenar ou liderar equipes de trabalho e a comunicar-se com as pessoas do grupo ou de fora dele, de forma adequada à situação de trabalho
  • que esteja preparado para acompanhar o avanço da ciência e da tecnologia em relação à área e a desenvolver ações que aperfeiçoem as formas de atuação do Engenheiro Químico